Está sem tempo para ler o conteúdo? Gostaria de poder acompanhá-lo enquanto dirige, caminha ou realiza outra atividade? Então não perca tempo e ouça este artigo na íntegra. Basta clicar no play! Agradecemos o seu feedback nos comentários 🙂

Velhos hábitos são difíceis de eliminar 

Comece a mudar sua rotina hoje e aumente a produtividade do seu time de vendas testando gratuitamente o CRM de vendas que motiva seus vendedores. 

Teste grátis por 14 dias e veja a diferença na sua operação de vendas na prática.
Mais de 4000 empresas utilizaram os 14 dias grátis e decidiram pelo nosso CRM de Vendas.

À medida que a pandemia do COVID-19 avança pelo Brasil e pelo mundo, já sentimos também a força do impacto econômico que as medidas de isolamento social irão trazer. E sabemos que, para evitar uma crise de saúde e humanitária, essas políticas de fechamento de estabelecimentos comerciais e de trabalho home office são essenciais.

Mais do que lamentar os efeitos para a economia, é hora de repensar modelos de negócio e processos internos para que as empresas possam se reinventar durante essa crise.

O impacto do COVID-19 nas vendas B2B já é percebido em muitos setores, agora precisamos agir para que as perspectivas a médio e longo prazo sejam melhores!

Quais impactos nas vendas já foram percebidos com a pandemia do novo coronavírus?

Em um primeiro momento, pensamos que precisaríamos adotar as medidas de isolamento social apenas por algumas semanas.

Com o passar dos dias, porém, vimos que teremos mais tempo neste cenário para evitar a sobrecarga do sistema de saúde, tanto público quanto privado.

Diante disso, fica difícil mensurar qual será o real impacto do COVID-19 nas vendas ao final dessa situação. Afinal, não sabemos exatamente quando voltaremos ao normal – e como será esse “novo normal”.

O que temos são alguns cenários para o PIB e perspectivas para alguns setores.

Toda segunda-feira, o Banco Central divulga o Boletim de Mercado Focus, com projeções de indicadores. Na data de publicação deste artigo, a previsão era de queda no PIB de -1,18% em 2020. Na semana anterior, era de -0,48%. Ou seja, os números vêm mudando rapidamente e fica mais difícil tomar decisões com base neles.

A crise é para todos, mas afeta alguns setores mais do que os demais

Sabemos, porém, que existem setores que estão sendo mais afetados do que outros.

Segundo boletim divulgado pelo Sebrae, em 3 de abril de 2020, já é possível mensurar quedas bastante significativas para economia criativa (86%), turismo (88%) e serviços educacionais (67%). O que eles têm em comum? Na maioria das vezes, as empresas dependem diretamente do contato humano para concretizar as vendas.

Por outro lado, áreas como telecomunicações e indústria farmacêutica sofrem menor exposição à crise. Existem, inclusive, empresas crescendo durante este período, como é o caso da ferramenta de videoconferências Zoom.

No gráfico abaixo, a agência Moodys detalha melhor quais setores possuem alta, moderada e baixa exposição aos efeitos da crise.

infográfico sobre o impacto do covid-19 moodys

Desafios impostos pelo COVID-19 ao mercado B2B

Falamos que os setores mais impactados pelo avanço do novo coronavírus são aqueles que dependem da interação direta com o consumidor.

Mas isso não significa que os negócios com foco B2B não estejam encarando efeitos negativos nesse momento. Principalmente porque muitas das soluções são oferecidas a esses setores já fortemente afetados.

Com isso, temos alguns desafios importantes para lidar nesse momento:

  • Dificuldade de falar com prospects;
  • Congelamento de budget dos clientes;
  • Dificuldade em fazer follow-up de rotina;
  • Paralisação das negociações em andamento;
  • Aumento das taxas de cancelamento;
  • Dificuldade de gerir a equipe de vendas à distância;
  • Cancelamento de eventos que são fontes de leads.

Os caminhos para reduzir o impacto nos negócios

De forma geral, precisamos entender que toda a economia sofrerá com a crise, em nível global.

Mas não podemos ficar parados!

É preciso ter flexibilidade e muito foco no planejamento para que os próximos meses sejam melhores para todos. Abaixo, listamos algumas boas práticas para adotar neste período, a partir do que estamos estudando e conversando com o mercado.

Adaptar para o modelo de vendas remotas

Mais do que nunca, é preciso avançar para um modelo de vendas remotas, mesmo que o objetivo seja voltar às vendas de campo depois.

Para isso, é necessário adaptar processos e ferramentas e focar em uma gestão de vendas baseada em produtividade, não em micro-gestão do time. O apoio de um sistema de CRM é fundamental para isso!

Encontrar novos canais de comunicação com o cliente

Se as vendas migraram para o home office (e a maioria dos clientes também), vale a pena investir em novas e boas ferramentas de comunicação online com o cliente. Aplicativos de videoconferência com boa qualidade, mesmo em conexões ruins, serão a principal forma de contato para reuniões e negociações.

Da mesma forma, e-mail e LinkedIn devem ser bons aliados para prospecção. Por isso, considere rever todos seus textos e modelos de abordagem comercial para este período.

Repensar entrega de produtos e serviços

Em um nível mais aprofundado, é interessante também repensar a entrega de produtos e serviços durante estas semanas. Pode ser que sua empresa precise fazer uma revisão de produto pontual ou até lançar um novo no mercado.

Neste sentido, uma recomendação é apostar nas soluções as a service (caso seja possível), que funcionam em modelo de assinatura e representam um aporte inicial menor para o cliente. Assim como uma receita recorrente para o seu negócio!

Ajudar o cliente nos seus desafios

Outra lição importante desse momento é estar disposto a ajudar o cliente em seus desafios, tendo a empatia como comportamento essencial.

Como falamos, a maioria das empresas está diante de desafios muito grandes neste período, então, como fornecedor, tente ajudar seu cliente a superar a crise no que for possível. Isso significa desde desenhar soluções em conjunto até ter flexibilidade para negociar valores.

Desenhar cenários para planejamento e fluxo de caixa

Um fato, infelizmente, já devemos encarar como realidade: dificilmente o que foi planejado como meta para 2020 será alcançado. Ou seja, é hora de rever o planejamento, mas ainda considerando que não temos certeza do cenário que iremos encontrar nos próximos meses.

O recomendado, então, é desenhar diferentes cenários (otimista, realista, pessimista), considerando sempre os indicadores mais recentes para a economia e para seu setor específico de atuação. E, é claro, atualizar esses cenários semanalmente conforme as últimas movimentações.

Negociar com fornecedores

Da mesma forma que a sua empresa precisa ter flexibilidade para negociar valores com os clientes, seus fornecedores precisam estar abertos a isso.

Junto ao setor financeiro, entenda o que pode ser reduzido para que não seja necessário dispensar vendedores ou lidar com um cenário mais drástico no futuro. E faça isso logo, mesmo que o impacto ainda não tenha chegado ao seu fluxo de caixa.

Não antecipar a oferta

Essa atenção ao fluxo de caixa deve considerar também as novas contratações ou a dedicação do time a negócios que ainda vão acontecer.

Geralmente, é preciso se preparar antecipadamente para atender um novo pedido ou cliente. Agora, o momento é de ampliar o prazo de entrega e se proteger de investimentos que podem se tornar pesados para o bolso mais para frente.

Realizar campanhas de marketing e vendas que mostrem empatia com o momento

Citamos a empatia no relacionamento com os clientes e isso deve transparecer também nas comunicações com o mercado, especialmente as voltadas para as vendas. Nesses últimos tempos, vimos marcas serem “canceladas” por abordagens muito comerciais.

O fato é que, agora, ninguém está querendo ser abordado para uma venda. Mas sim para receber qualquer ajuda para o seu negócio! Como sua empresa pode se posicionar nesse sentido?

Cuidar da reputação

Falando em campanhas de marketing e vendas, os especialistas em marcas recomendam cuidar fortemente da reputação. Todas as ações que uma organização tomar nesse momento, serão avaliadas. E poderão trazer prejuízos muito maiores do que essa crise econômica!

Prepare-se para um novo mercado

Nós sabemos que o momento é bastante desafiador e marcado por incertezas. Apesar disso, existem caminhos para encontrarmos juntos melhores perspectivas para o Brasil.

Precisamos ter como foco otimização de processos e de recursos e, acima de tudo, ficar de olho para as mudanças no comportamento que essa crise pode trazer – e já está trazendo.

Sem dúvidas, teremos um novo mercado para atuar nos próximos meses. E desejamos que ele seja melhor para todos!