Confira tudo o que aconteceu na abertura do mais completo evento de Marketing Digital e Vendas da América Latina

Ideias sobre economia, empreendedorismo, marketing, vendas, relacionamento com o cliente, tecnologia, tendências digitais: a quarta edição do RD Summit, organizada pela empresa Resultados Digitais, que aconteceu nos dias 3 e 4 de novembro de 2016, em Florianópolis, trouxe tudo isso e muito mais!

RD Summit 2016 @Divulgação

RD Summit 2016 (Divulgação)

Vamos aos números para poder contextualizá-lo. De acordo com a organização, foram mais de:

  • 5.500 profissionais participantes
  • 73 horas de palestras
  • 150 palestrantes
  • 7 mil fotos com as hashtags
  • 6 mil quilos de frutas
  • 8 mil litros de chopp
  • 17 mil doses de café
  • 57 TVs, 15 telões de projeção e 6 painéis de LED
  • Milhares de negócios fechados

Tudo isso em 20 mil metros quadrados de estrutura (o Centro de Convenções Centrosul) e em 2 dias.

O RD Summit 2016 começou bem antes de 3 e 4 de novembro. Além da página do evento no Facebook, que atraiu mais de 8 mil seguidores, a empresa Resultados Digitais criou um aplicativo para que os participantes já tivessem acesso às informações da agenda, profissionais inscritos, expositores, planta do centro de convenções e outras curiosidades.

Aplicativo criado pelos organizadores do RD Summit para orientação dos participantes

Aplicativo criado pelos organizadores do RD Summit

Antes e durante o evento, o app enviava avisos sobre o início de palestras, sorteios e ações importantes que aconteciam em tempo real. E para melhorar a experiência dos participantes, o credenciamento começou no dia anterior à abertura do evento.

O “Early check in” aconteceu no próprio local do evento, no dia 2 de novembro, das 13h30 até às 20h, para que todos evitassem filas gigantescas e não se atrasassem para a abertura. O que ajudou muito, bem como a agilidade dos colaboradores (extremamente prestativos) que estavam responsáveis pela recepção e credenciamento.

Boas-vindas de grandes nomes do mercado

O evento teve início pontualmente às 9h com as boas-vindas do apresentador Marcos Piangers. Na sequência veio a palestra do economista Ricardo Amorim, CEO na RICAM Consultoria e apresentador do Manhattan Connection na Globonews.

O profissional apresentou um panorama do crescimento médio de nosso Produto Interno Bruto, comparando com o de outras potenciais, como Alemanha e Estados Unidos, e também países emergentes, como China e Índia. De acordo com Amorim, nos últimos 115 anos, o mínimo que o Brasil cresceu depois de uma grave crise econômica foi 6% ao ano, por pelo menos 3 anos.

Crescimento médio do PIB a cada 3 anos.

Crescimento médio do PIB a cada 3 anos

O palestrante chamou a participação da plateia: “Quem conhece alguém que acredita que, em um futuro breve, o Brasil vai crescer pelo menos 6% ao ano, levante a mão!”, disse. “Eu não conheço ninguém, aliás, não conheço alguém que o acredite que o PIB vai crescer 4% ao ano”, acrescentou Amorim.

O motivo da apresentação dos dados e dos comentários sobre o tímido crescimento do Brasil foi esclarecido logo depois. “Eu também não sei quanto o PIB vai crescer, mas assim como das outras vezes, a economia vai surpreender e crescer muito mais do que as pessoas acreditam hoje. E isso significa que estamos no melhor momento da economia para fazer negócios”, destacou.

A explicação, segundo o economista é muito simples, e pode ser exemplificada com o caso das paletas mexicanas. A primeira empresa que decidiu investir nesse tipo de negócio lucrou muito (quando a demanda por paleta era maior que a oferta). Mas depois que vieram milhares de empresas para vender o mesmo produto e passaram a existir mais pessoas querendo vender do que interessados em comprar.

Em outras palavras, quando há uma oportunidade que quase ninguém conseguiu ver, há uma tremenda oportunidade! No entanto, quando algo bom vem pela frente e quase todo mundo viu e conhece, a oportunidade já passou.

Ricardo Amorim

Palestra de Ricardo Amorim (Divulgação)

Entre os setores da economia destacados por Amorim que terão grandes oportunidades estão: educação (escolas, escolas de idiomas, faculdades), saúde (hospitais, planos de saúde, laboratórios, farmácias), agronegócio e soluções digitais (uma excelente estratégia para chegar a consumidores distribuídos pelo país e pelo mundo).

Dados são importantes, mas o contato direto com o cliente…

A palestra de Wil Reynolds, especialista em Marketing , tratou de como o mercado costuma olhar para dados e estatísticas e permanecer desatento ao que as pessoas sentem. “Estamos de olho em inbound, KPI, cliques em e-mail marketing e ferramentas de automação que, de fato, nos trazem dados importantes. Mas não falamos muito das pessoas por trás desses cliques”, apontou.

De acordo com Wil, que estuda o comportamento das pessoas há alguns bons anos, é preciso muito mais do que mudar algo em uma Landing Page para conseguir mais cliques. O que deve estar por trás de qualquer ação do profissional de Marketing é o foco em como as pessoas terão uma melhor experiência com sua empresa, site e produto. “Há pessoas por trás de um e-mail. Há pessoas por trás de seu website. Use aquilo que atraia esse público”.

Wil Reynolds (Divulgação)

Wil Reynolds (Divulgação)

Outras dicas de Wil Reynolds:
  • Não venda um produto, conte histórias e envolva as pessoas;
  • Não bombardeie seus leitores/clientes com muitos e-mails;
  • A descrição de seu site ou produto deve ser pautada pela emoção para conectar sua marca às pessoas.

Leitura recomendada por Wil: “Words that work”, de Frank Luntz

Capa do livro "Words that work", de Lun

Capa do livro “Words that work”, de Frank Luntz

A estratégia de Reynolds no campo das vendas

Em sua palestra “Como um hacker de vendas vai salvar o emprego dos marketeiros do inbound marketing”, o especialista em vendas Ricardo Jordão (BizRevolution) mostrou que também acredita muito mais em ações baseadas no contato e no relacionamento, do que somente em números. “Vendas e Marketing são emoção e todas as emoções são válidas”, declarou com seu jeitão enérgico, levantando o auditório lotado.

Palestra de Ricardo Jordão

Palestra de Ricardo Jordão

Capacitação, treinamento e motivação

Esse olhar mais voltado para o que o cliente necessita ou até para o que ele nem sabe que deseja (mas que o vendedor ou profissional de marketing deve descobrir e fazer florescer) deve ser estimulado pela liderança. Dessa forma, desde a seleção até os treinamentos para capacitação, o gestor de qualquer tipo de time deve encorajar reflexões e iniciativas que estejam voltadas a “entender para atender”, lema destacado por Guilherme Machado em sua palestra “Hackeando vendas: como aniquilar as objeções”.

E quando o assunto é desenvolvimento, a empresa Resultados Digitais pode falar com propriedade. A RD mudou de estratégia ao perceber que seu processo de vendas estava confuso para os novos funcionários e até para os gestores conseguirem medir os resultados. De acordo com Letícia de Castro Rodrigues, Inbound Sales Training Manager da RD, “a empresa dependia muito da sorte e do talento do vendedor, que entrava e recebia um turbilhão de informações, que não sabia ao certo quando seriam utilizadas”.

Dinâmica realizada na palestra de Guilherme Machado

Dinâmica realizada na palestra de Guilherme Machado

Após muito estudo e visitas inclusive às empresas do Vale do Silício, a RD investiu em um processo de treinamento totalmente conectado à contratação dos profissionais (o processo seletivo já serve de base para o onboarding) e alinhado aos resultados esperados para a área de vendas e às métricas da empresa como um todo.

Segundo o palestrante Matt Doyon, vice presidente de vendas da Rock Content, é dessa forma que também se escala um time de vendas, com muito aprendizado e valorização dos profissionais. “Hoje, não são mais os colaboradores que trabalham para o CEO e sim o CEO que trabalha para os colaboradores, não há mais uma hierarquia”, afirmou.

Em entrevista exclusiva para o Blog do Agendor, Matt disse que a melhor maneira de se conseguir a dedicação de um profissional ao seu trabalho e à empresa é pelo reconhecimento. “Há diversas dicas valiosas como bônus e incentivos mensais. Tudo isso é bom e recomendo. Mas o que mais faz a diferença para a motivação e o engajamento é reconhecimento público e celebração quando as coisas estão indo bem. Nós fazemos isso na Rock com aqueles que se superam. Celebramos cada um, a cada mês. Isso é vital não só para a área de vendas, mas para todos os colaboradores da empresa, pois o pior que pode acontecer para um profissional é ele sentar e pensar, ‘estou me matando e ninguém sabe disso'”, disse o palestrante.

Para Matt Doyon, não só o gerente deve saber, mas todo mundo da empresa. “Se o gestor trabalhar dessa forma, o colaborador se sentirá reconhecido e isso é realmente empoderador”, concluiu.

Quer saber mais sobre as palestras que aconteceram nos dois dias de RD Summit 2016?

Então não perca nossos próximos posts!