O fluxo de caixa, muitas vezes, parece algo restrito ao departamento financeiro. No entanto, se as informações ali presentes, principalmente no demonstrativo, forem devidamente analisadas e usadas estrategicamente, elas podem fazer maravilhas pela empresa. Inclusive quando bem observada a relação entre fluxo de caixa e vendas!

A realidade é que, mesmo que exista um controle, ainda são poucas as organizações que usam daquelas informações de forma inteligente para estimular o crescimento da empresa.

Além disso, cabe lembrar que os mecanismos de venda da empresa também podem prejudicar a interpretação desses números. É por isso que é fundamental acompanhar o fluxo de caixa de perto, para identificar os gargalos e conseguir tomar algumas decisões ao longo do caminho.

Guia: como elaborar e implementar o processo de vendas

Elaborando e tirando o processo de vendas do papel para colocá-lo em prática

Quer entender o que acontece com o fluxo de caixa e como ele pode impactar diretamente a realidade das vendas da empresa? Continue a leitura!

O que é Fluxo de Caixa

O fluxo de caixa consiste, basicamente, no fluxo de entradas e saídas da sua empresa durante um determinado período. Nesse sentido, se entra mais dinheiro do que sai, o fluxo de caixa será positivo. No entanto, se você gasta mais do que recebe mensalmente, o fluxo de caixa será negativo. 

É através desse fluxo de caixa que você saberá, por exemplo, se a empresa terá verba para arcar com as contas, ou se será necessário recorrer a empréstimos para garantir o capital de giro.

Além disso, o fluxo de caixa é utilizado como metodogia para cálculo de Valuation. Você sabia? Por meio do Fluxo de Caixa Descontado, avalia-se os riscos da empresa e a sua capacidade de se reorganizar a longo prazo.

Porém, quando falamos em fluxo de caixa e vendas, um dos erros mais comuns cometidos pelas empresas é esquecer de considerar as vendas a prazo e as inadimplências corretamente, o que pode prejudicar essa análise.

Aqui, é fundamental que a equipe de vendas esteja alinhada e seja capaz de identificar essas vendas a prazo e as inadimplências dos clientes, para não só constar em relatórios como também prever esse tipo de comportamento nos meses seguintes, dando mais clareza para as estimativas mensais e anuais do negócio.

Quer entender melhor o que é fluxo de caixa? Assista ao vídeo!

O que são as movimentações do fluxo de caixa?

Como dito anteriormente, o fluxo de caixa tem dois movimentos: entradas e saídas.

As entradas podem ser divididas em:

  •     atividades de investimento: ganhos provenientes dos fundos investidos;
  •     operações: dinheiro recebido pela compra de clientes por produtos ou serviços oferecidos pela empresa.

As saídas, por sua vez, são classificadas da seguinte maneira:

  •     atividades de investimento: quando há compras de ativos fixos;
  •     atividades financeiras: emissão de dividendos e pagamentos de juros, por exemplo
  •     operações: gastos com aluguel do espaço, folha de pagamento, contas de água, contas de energia, etc.

Demonstrativo de Fluxo de Caixa: como funciona?

O controle do fluxo de caixa acontece graças ao DFC, Demonstrativo de Fluxo de Caixa.

É através dele que você saberá, com exatidão, quais foram os valores de entrada e saída durante um determinado período, tanto no caixa da empresa quanto nas contas bancárias ou aplicações com liquidez diária. 

Esse demonstrativo irá permitir que os gestores consigam ter, por exemplo, uma visão mais estratégica de aplicações mais vantajosas, além de entender para onde está indo e de onde está vindo a maior parte da verba da empresa.

O demonstrativo precisa, portanto, considerar todas as informações. Então, é importante se atentar para registrar as vendas a prazo, bem como o pagamento ou inadimplência dos clientes no que diz respeito a esse modelo de venda.

Quais mecanismos de vendas impactam no fluxo de caixa

Estar continuamente vendendo e atingindo as metas relacionadas à área é sempre bom, mas isso não significa, necessariamente, um fluxo de caixa positivo. Os mecanismos de venda precisam considerar diversos cenários

O primeiro deles é a discrepância entre meses. Se houve muitas vendas em um mês e poucas em outro, sem organização, certamente haverá falhas nos fluxos e uma desorganização no capital de giro do negócio. 

A solução para essa situação é ter uma rotina de organização financeira da empresa. Se a média de vendas mensais é de R$10.000,00 e você teve um mês com o dobro de vendas, organize esse valor excedente para cobrir o caixa dos meses em que as vendas foram mais baixas. Às vezes, é mais estratégico manter esse valor excedente para arcar com possíveis complicações ou baixas em vendas no futuro.

Além disso, é preciso avaliar questões como inadimplência de clientes e atraso no recebimento de determinadas vendas. Por isso, os mecanismos de venda precisam ser analisados para que, caso seja necessário, sejam revistos para não prejudicar o fluxo de caixa ou a saúde financeira da empresa.

Nesse sentido, é interessante rever como as vendas estão sendo feitas e treinar a equipe comercial para evitar esses cenários. Se os níveis de inadimplência estão altos, quais são as ações mais efetivas para reduzi-los? Não vender a prazo? Ter uma política de cobrança mais eficiente? A solução irá depender do modelo de negócio adotado pela empresa e de quais são as melhores alternativas para essa realidade.

Lembre-se de que principalmente as vendas a prazo podem “mascarar” a realidade do fluxo de caixa e, por isso, precisam ser acompanhadas de perto para que não haja erros ou equívocos durante a análise desses números.

O segredo aqui é ter uma visão mais clara das vendas a prazo e de quando, de fato, esses pagamentos ocorrerão. Pode ser interessante que os gestores de vendas avaliem em quais períodos, de fato, as vendas a prazo devem ser consideradas como “entradas” no caixa, para evitar possíveis desencontros de informação na prestação de contas mensais.

O impacto de mecanismos de vendas como parcelamento e formas de pagamento

O fluxo de caixa é fundamental para entendermos exatamente para onde o dinheiro está indo e de onde ele está vindo. Muito se engana aquele que acredita que os vendedores não precisam estar a par dessas informações: é fundamental que a equipe de vendas esteja devidamente alinhada para encontrar possíveis gargalos e até mesmo soluções para os desafios do setor.

Pensando sobre o segundo quesito, entender o que está trazendo mais receita para a empresa é necessário para identificar as maiores oportunidades, visto que os produtos e serviços com maior saída serão, muitas vezes, os que irão trazer maior rentabilidade para o negócio, seja por margem de lucro alta ou por volume de venda.

Com essa informação em mãos, é possível que a empresa defina quais itens e serviços são mais valiosos e precisam estar sempre no portfólio. Isso irá influenciar em questões como a gestão de estoque do negócio e a melhora desse fluxo.

Em tempo, também é possível definir as formas de pagamento mais interessantes. Como explicado anteriormente, o fluxo de caixa irá mostrar como estão os pagamentos a curto ou médio prazo, e a partir daí definir quais são as melhores práticas da empresa, principalmente no que diz respeito às vendas a prazo. 

Caso você observe que existe uma taxa de inadimplência muito grande, ou que muitos clientes estão com atraso no pagamento, é preciso reavaliar esses mecanismos de venda.

Afinal, o pagamento fora do prazo previsto por parte dos consumidores pode influenciar negativamente no capital de giro e no fluxo de caixa da empresa, fazendo com que alguns meses acabem ficando no vermelho.

Essas análises são fundamentais para identificar onde estão os erros e acertos da empresa. Mesmo que o caixa esteja negativo, é importante conferir se essa escassez é proveniente de baixa entrada ou se são as vendas a prazo que não estão sendo cumpridas.

A gestão de estoque também irá influenciar diretamente na questão financeira, uma vez que mercadorias paradas significam, também, dinheiro parado.

O vendedor, como pessoa em contato direto com os clientes e que sabe em primeira mão quais são os itens mais buscados por eles, poderá ter uma visão estratégica do que deve ser feito no que se refere ao estoque e prioridades. Por isso, é importantíssimo que todos os profissionais envolvidos no crescimento da empresa estejam alinhados e em contato constante para avaliarem as melhores estratégias. 

Para ter uma boa previsibilidade do fluxo de caixa, é essencial acompanhar as oportunidades de vendas abertas, em cada estágio do funil. Veja como isso pode ser feito no App Agendor no vídeo:

Vendas e gestão financeira precisam andar juntas para sustentabilidade do negócio

A gestão financeira e o fluxo de caixa devem passar por todas as áreas e é preciso reavaliá-lo com frequência para que nada passe despercebido e acabe se tornando um risco para a sustentabilidade do negócio.

Um fluxo de caixa positivo, proveniente de mecanismos de venda eficientes e de uma boa gestão de estoque são fundamentais para garantir o crescimento e a manutenção sustentável da empresa.

E você, está realizando uma boa gestão de fluxo de caixa na sua empresa? 

Esse artigo foi produzido pela Investor, consultoria especializada em avaliações de empresas ou empreendimentos de todos os portes e segmentos, com mais de 200 bilhões de reais avaliados e 250 mil ativos inventariados.

Quer entender melhor como ter Vendas e Financeiro sob controle? Confira agora nosso material de Gestão para Pequenas Empresas!