Motivação no ambiente de trabalho vai muito além de bônus e festinhas para aniversariantes.

Quando se fala em motivação no ambiente de trabalho, alguns fatores aparecem intuitivamente em nossa cabeça, como valor da remuneração, benefícios, clima da empresa, desafios, reconhecimento e outros.

E mesmo querendo aplicar alguns deles no dia a dia da gestão da equipe, acabamos percebendo que nem sempre geram os resultados esperados. Como fazer para que seus esforços para motivar a equipe no ambiente de trabalho surtam os efeitos desejados?

O Guia para gestão eficiente da equipe de vendas

Como ser um grande gestor e líder para sua equipe de vendas

Já pensou em estudar o assunto mais a fundo?

Você sabia que o estudo da motivação no ambiente corporativo é baseado em teorias científicas?

Sim, faz muitos anos que psicólogos e gestores buscam entender as razões que levam as pessoas a se motivarem para, aí sim, aplicar técnicas corretas de motivação no local de trabalho.

Realmente parece mais lógico agir desta maneira, não acha? Para ajudar você a gerir melhor a sua equipe e conseguir mais motivação no ambiente de trabalho, vamos apresentar as 3 teorias mais consagradas sobre este tema e algumas dicas de como aplicá-las no seu dia a dia profissional.

Entenda a teoria e aplique a motivação na prática.

Entenda a teoria e aplique a motivação na prática.

O clima no ambiente de trabalho é fundamental para manter sua equipe motivada. Saiba mais sobre este assunto lendo nosso artigo: Entenda o conceito de clima organizacional e como mudá-lo

3 conceitos de motivação no ambiente de trabalho

Apresentaremos rapidamente o conceito por trás das teorias para que você possa aplicá-los de maneira simples e objetiva no cotidiano da empresa. Veja:

1. Teoria dos 2 fatores de motivação no ambiente de trabalho

Normalmente associada a Frederick Herzberg, esta teoria prega que antes de estar motivada (ou satisfeita) para trabalhar, é preciso ter certeza de que sua equipe não está sem motivação para desempenhar suas tarefas.

É por isso que a teoria tem esse nome de 2 fatores:

Fatores higiênicos: o nome é estranho, mas se refere àqueles fatores externos à pessoa e ao seu trabalho em si, mas sem os quais será impossível que sua equipe se sinta predisposta a se motivar.

Por exemplo: estrutura da empresa, equipamentos, apoio logístico, treinamento, distância do local de trabalho até a casa, salários, benefícios, clima organizacional e até iluminação, por exemplo.

Fatores motivacionais: estes estão relacionados diretamente ao ato de trabalhar, são considerados “internos” a ele e englobam realização pessoal, reconhecimento, elogios, tipos de atividades exercidas, graus de responsabilidade e outros.

Perceba que o primeiro passo é garantir que sua equipe tenha condições mínimas de trabalho, evitando que fique desmotivada. Aliás, o mínimo pode ser pouco…

Sem isso, será impossível passar para o segundo passo, que é motivar cada indivíduo conforme suas aspirações pessoais em relação as tarefas que executa.

Em resumo: garanta condições satisfatórias para trabalhar. Mas lembre-se: não é isso que motiva as pessoas, apenas impede que fiquem desmotivadas. Em seguida, conheça os aspectos que motivam verdadeiramente os profissionais.

Para isso, as 2 próximas teorias sobre motivação no ambiente de trabalho poderão ser bastante úteis.

Boas condições, estrutura e clima no trabalho inibem a falta de motivação.

Boas condições, estrutura e clima no trabalho inibem a falta de motivação.

2. Teoria das Necessidades Adquiridas

Este enfoque da motivação no ambiente corporativo vai ajudar você a definir que aspectos deve desenvolver com cada membro da equipe para motivá-los.

Segundo seu autor, David McClelland, as pessoas têm 3 tipos de necessidades que podem afetar seu comportamento neste contexto:

  • Realização
  • Afiliação
  • Poder

Neste caso, quem tem necessidades de realização, de atingir objetivos, costuma ter um comportamento de assumir menos riscos, podendo assim alcançar mais facilmente seus objetivos.

Por outro lado, riscos muito baixos também as desmotivam, pois consideram que realizar esse tipo de objetivo não significa verdadeiramente uma “realização”. Gostam de trabalhar sozinhas.

A necessidade de afiliação está relacionada ao desejo de se sentir querido e aceito pela equipe. Pessoas com este perfil adoram trabalhar em grupo e integrar as pessoas.

Já a necessidade de poder se manifesta nos indivíduos que gostam de exercer o controle e mostrar sua influência sobre o grupo. Aceitam assumir riscos para conseguir resultados de impacto e impressionar a equipe. São muito ligadas a prestígio.

Para usar esta teoria com o objetivo de motivar seus funcionários, fica claro que você deve identificar o perfil de cada um e oferecer oportunidades para que cada profissional realize suas necessidades específicas.

Muitas vezes oferecer um posto de liderança para um funcionário com perfil de afiliação pode desmotivá-lo totalmente. Talvez ele deva ocupar um cargo de coordenação, sob os cuidados de um líder (com perfil de necessidades de poder) que o oriente a como fazer esta coordenação e integrar a equipe.

Da mesma forma, um colaborador com perfil de realização (que normalmente não gosta de assumir riscos) talvez não se sinta bem tendo que liderar, delegar tarefas, supervisionar, etc., preferindo receber projetos específicos que possa concretizar com excelência.

Estude o perfil de sua equipe e saiba quais as tarefas e funções mais indicadas para cada um.

Pequenos eventos internos podem ajudar bastante, veja estes 8 vídeos motivacionais que vão dar um UP em sua equipe.

3. A Pirâmide das Necessidades de Maslow

Talvez a mais famosa e conhecida das abordagens, a teoria de Abraham Maslow não poderia faltar em nosso artigo. Ela apresenta outras necessidades que devem ser conquistadas ou supridas para que um ser humano se sinta satisfeito e apto a se motivar a buscar mais necessidades.

Divididas em 5 necessidades, aquelas que se encontram na base da pirâmide devem ser satisfeitas para que se possa galgar a conquista da necessidade seguinte, veja:

  1. Necessidades fisiológicas: se alimentar, ter acesso a água, poder dormir e descansar o suficiente, e outras necessidades como estas.
  2. Necessidades de segurança: casa, saúde, emprego, aposentadoria, segurança da família, escola dos filhos, plano de saúde e outros exemplos como estes.
  3. Necessidades de relacionamento: família, amigos, namorados etc.
  4. Necessidades de estima: pertencer ao grupo, confiança, conquista, respeito e autoestima.
  5. Necessidades de realização: criatividade, artes, status, espontaneidade, capacidade de solucionar problemas, ausência de preconceitos e outras.
Necessidades fisiológicas, de segurança, de relacionamento, de estima e de realização compõem a hierarquia das necessidades de Maslow.

Necessidades fisiológicas, de segurança, de relacionamento, de estima e de realização compõem a hierarquia das necessidades de Maslow.

Perceba que ao se analisar as 3 teorias em conjunto, seus conceitos se inter-relacionam.

Podemos concluir, dessa forma, que para ter mais motivação no local de trabalho é preciso atender às necessidades básicas (ou higiênicas, se preferir) dos funcionários para só então oferecer oportunidades de desenvolverem as necessidades de crescimento que mais os motivam (de acordo com seus perfis).

Essas necessidades podem ser de realização pessoal, poder, autoestima, etc., dependendo do nome que cada teoria dá a esses desejos mais elevados.

Portanto, para motivar sua equipe, entenda o perfil de cada colaborador e ofereça maneiras de atingirem as realizações que mais valorizam.

Não deixe que a conjuntura econômica tire o ânimo de seu pessoal. Confira este artigo: Época de crise: por que é importante motivar seus vendedores agora?